sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Uma Areia na vida da Ostra


Esse texto falou muito comigo durate esses dias, por isso gostaria de compartilhar com vcs.




Lá no fundo do oceano, uma ostra abriu bem a sua concha para deixar a água passar através dela. Da água que passava suas guelras extraía o alimento que a seguir ia para o estômago.
De repente, um peixe grande ali perto levantou uma nuvem de areia e lodo com um movimento do seu rabo.
Areia?!
Oh, como a ostra detestava areia. Era áspera e fazia sua vida muito desagradável e desconfortável, era um grande incômodo sempre que entrava na sua concha.
Rapidamente a ostra se fechou, mas tarde demais. Um grãozinho duro e saibroso tinha entrado e se alojado no interior da ostra. Puxa como aquele grãozinho de areia incomodava!
Mas quase que imediatamente as glândulas especiais que Deus lhe havia dado para revestir o interior da sua concha começaram a produzir uma substância para cobrir o grão de areia irritante com uma linda camada macia e brilhante.
A cada ano que passava, a ostra acrescentava mais camadas sobre o grãozinho de areia, até que por fim havia produzido uma grande pérola reluzente e de grande valor.
Às vezes, os problemas que temos se assemelham um pouco a esse grãozinho de areia.
Eles nos incomodam e nos perguntamos por que será que temos que passar por esse incômodo e inconveniência. Mas se permitirmos, Deus, com a Sua graça, começa a transformar os nossos problemas e fraquezas em algo precioso.
Aproximamos-nos mais do Senhor, oramos com maior fervor, ficamos mais humildes e submissos, mais sábios e mais capacitados para enfrentar os problemas. Como bênçãos disfarçadas, o Senhor logo pega esses grãozinhos ásperos de areia na nossa vida e os transforma em pérolas preciosas de força poder, e eles se transformam em esperança e inspiração para muitos.
Deus nos faz mais fortes com cada vitória.
É mais ou menos como uma vacina: Ele nos dá pequenas doses para não pegarmos a doença e para, de uma forma constante e gradual, aumentar nossa resistência. Mas se você nunca for posto à prova, nunca tomar uma pequena dose, nunca conseguirá agüentar a dose grande. De certa forma, o Senhor faz isso conosco.
Ele nos põe à prova nos dando um pouco mais cada dia, para nos testar, para aumentar a nossa resistência e nos tornar mais fortes. Ele nos vacina cada dia com um pouco mais de soro de sacrifício, provações, problemas e luta. Ele procura deixar você mais forte a cada dia e fazer com que consiga dar um pouco mais, sacrificar um pouco mais, sofrer um pouco mais, lutar um pouco mais e crescer um pouco mais.
(autor desconhecido)

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

"O CHEIRO DE DEUS"


Um vento frio dançava ao redor da noite enquanto o médico caminhava pelo pequeno hospital até o quarto de Diana.Ainda meio grogue por causa da cirurgia, seu marido David segurava sua mão, esperavam pelas últimas notícias. Naquela tarde de 10 de março de 1991, complicações tinham forçado Diana, com apenas 24 semanas de gravidez, a sofrer uma cesariana de emergência, trazendo ao casal a nova filha, Danae.Com apenas 31 centímetros e pesando só 711 gramas,
eles sabiam que ela era perigosamente prematura.
As palavras do médico caíram como bombas,- Eu não acredito que ela sobreviverá. Disse ele, tão bondosamente quanto ele podia.
- Há apenas 10 por cento de chances dela passar
por esta noite, e mesmo então, se por alguma remota possibilidade ela sobreviver,
seu futuro pode ser muito cruel.Entorpecidos e incrédulos,
David e Diana escutaram o médico descrever
os problemas que Danae enfrentaria se sobrevivesse.
Ela nunca andaria, ela nunca falaria,
ela provavelmente seria cega, e certamente
estaria entre a paralisia cerebral e
o total retardamento mental.- Não! Não! Foi tudo o que Diana pode dizer.Ela e David, com seu filho Dustin de 5 anos,
muito sonharam com o dia em que teriam uma filha.
Agora, em questão de horas, o sonho se perdia.Durante a madrugada, enquanto Danae agarrava-se ao tênue fio de vida, Diana, entre um sono e outro,
via crescer a idéia de que sua minúscula filha
viveria e viveria para ser uma menina feliz e saudável.Mas David, plenamente acordado,
sabia que deveria confrontar sua esposa
com o inevitável.
David então disse que precisavam conversar
sobre o enterro.Diana disse,- Não, eu não quero escutar o que os médicos dizem;
Danae não morrerá! Um dia ela estará bem
e voltará para casa conosco!Como que levada pela determinação de Diana,
Danae agarrou-se a vida, hora após hora,
com a ajuda de todas as máquinas e maravilhas
que seu corpo em miniatura podia suportar.Por ter o sistema nervoso subdesenvolvido,
o mais leve beijo ou carícia só intensificavam
o incômodo de Danae.
Então não podiam sequer levantá-la do berço
para oferecer a força de seu amor.
Tudo o que podiam fazer,
era orar pedindo à Deus que ficasse bem
pertinho de sua menininha preciosa.Com o passar das semanas,
Danae ganhou um pouco de peso e força.
Quando completou dois meses, seus pais
puderam dar-lhe o primeiro abraço.
E dois meses mais tarde, embora médicos
continuassem a advertir que suas possibilidades
de sobrevivência eram remotas,
Danae foi para casa,
assim como sua mãe tinha predito.Hoje, Danae é uma pequenina menina,
mas exuberante com resplandecentes olhos
acinzentados e um insaciável entusiasmo pela vida.
Ela não mostra nenhum sinal de qualquer
dano mental ou físico. Simplesmente,
é tudo o que uma menininha pode ser.Numa quente tarde do verão de 1996,
Danae estava sentada nas arquibancadas de um estádio, assistindo ao jogo do time de Dustin, seu irmão.
Como sempre, Danae tagarelava sem pausa
com sua mãe e com os outros adultos
sentados por perto, quando, de repente,
ela se deixou cair silenciosa.
Abraçada e com a cabeça encostada
ao peito da mãe, Danae perguntou,- Está sentindo este aroma?Cheirando o ar e detectando a aproximação
de um temporal, Diana respondeu,- Sim, cheiro de chuva.Danae fechou os olhos e novamente perguntou,- Você está sentindo este cheiro?Mais uma vez, sua mãe respondeu,- Sim, acho que vamos nos molhar,
é cheiro de chuva.Danae sacudiu a cabeça, e falou bem alto,- Não, é o cheiro Dele.
É o cheiro de Deus que eu sinto quando coloco
a cabeça em Seu peito.Lágrimas molharam os olhos de Diana
enquanto Danae alegremente pulou para baixo
e foi brincar com as outras crianças.Antes das chuvas chegarem,
as palavras de sua filha confirmaram o que Diana
e toda a família já sabia, pelo menos em seus corações,
desde o início.
Durante aqueles longos dias e noites
de seus primeiros meses de vida,
quando seus nervos eram por demais sensíveis
para que pudessem tocá-la,
Deus segurava Danae contra Seu peito
e é Seu perfume de amor que ela se lembra tão bem.
Tradução de Sergio Barros

Que vc sinta sempre o cheiro de Deus
por perto...

Fique com Deus!